Creating and sharing knowledge for telecommunications

Efeitos da dimensão do campo na variabilidade posicional de futebolistas: seguindo os pontos com o uPATO

Clemente, F.M.C. ; Correia, A. ; Sequeiros, J. ; Martins, F. ; Silva, F.

Efeitos da dimensão do campo na variabilidade posicional de futebolistas: seguindo os pontos com o uPATO, Proc Congresso Internacional de Jogos Desportivos, Porto, Portugal, Vol. , pp. - , July, 2017.

Digital Object Identifier:

Abstract
Introdução: A capacidade de localizar instantaneamente os jogadores permite a obtenção de dados alternativos associados ao comportamento no jogo (Silva et al., 2014). O objetivo do presente trabalho foi analisar a variabilidade das trajetórias percorridas por futebolistas em campos de tamanhos distintos. Métodos: dez futebolistas semiprofissionais (24,54,7 anos de idade) participaram no estudo. Dois jogos de 11 vs. 11 em dois campos (campo pequeno: 5468 m e campo grande: 10868 m) foram implementados. Cada jogo decorreu durante 30 minutos. Cada jogador utilizou uma unidade GPS (10Hz, Acelerómetro 1kHz, FielWiz, Suiça). Os dados geolocalizados foram importados no Ultimate Performance Analysis Tool. As variáveis de entropia de Kolmogorov (KE) (medida de variabilidade temporal da trajetória), entropia de Shannon (SE) (medida de variação da posição no campo), índice de exploração espacial (SEI) (medida de exploração espacial tendo como referência o ponto médio da posição) e distâncias em diferentes regimes de velocidade, nomeadamente, andar (<1.91 m.s-1), jogging (3,86-1,91 m.s-1), corrida (3,86-5,52 m.s-1) sprint (>5,52 m.s-1), foram calculadas. Utilizou-se o teste t-independente, seguido do cálculo do Cohen D para estimar a dimensão do efeito (ES). Resultados: O campo pequeno obteve valores superiores (t = 0,003; ES = 2,325) de SEI (84,971,62) em comparação com o campo grande (71,078,85). Inversamente, o campo grande apresentou valores superiores (t = 0.013; ES = 1,327) de distância percorrida em sprint (203,26114,72 m) comparativamente ao campo pequeno (93,6943,38). Não se verificaram diferenças significativas nas restantes variáveis de KE, SE, distância a andar, jogging ou corrida. Os valores médios de KE e SE foram, respetivamente, 0,20 e 14,5 (campo pequeno) e 0,20 e 14,5 (campo grande). Os valores de distância a andar, jogging e correr foram, respetivamente, de 1186,42, 906,42 e 350,30 metros (campo pequeno) e 1006,35, 892,13 e 446,93 metros (campo grande). Conclusões: Sugere-se que campos maiores sejam utilizados para os jogadores percorreram percursos mais longos e com menor variabilidade. Campos pequenos devem ser utilizados para diminuir a carga externa e para conceder mais liberdade de exploração do espaço aos jogadores (treinos de recuperação ou menor volume de carga imposta).